Postagens Mais Acessadas

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Charge do Dia: Camaleão...

Flávio Dino anuncia Bira do Pindaré para Ciência e Tecnologia


O governador eleito, Flávio Dino (PCdoB), anunciou ontem (30) o deputado estadual Bira do Pindaré (PSB), como o novo secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. O parlamentar é professor e Mestre em Políticas Públicas.

Com a indicação de Bira do Pindaré (PSB) que foi reeleito a deputado estadual nas últimas eleições, Fernando Furtado, presidente do Sindicato dos Pescadores de Pinheiro e filiado ao Partido Comunista do Brasil, que obteve 17.472 votos (0.55%), assume uma cadeira na Assembleia Legislativa do Maranhão, em janeiro de 2015.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Jovem de Olho D'Água das Cunhãs comete suicídio e deixa carta de despedida


A jovem Rennata Lima, de apenas 17 anos, praticou um ato impensado na madrugada de quarta-feira (29) no Povoado Francilina, município de Olho D'Água das Cunhãs. A adolescente cometeu o suicídio quando ingeriu uma grande quantidade de chumbinho, veneno para eliminar ratos.

A causa que levou a jovem a cometer o ato ainda é incerta. Pessoas próximas afirmam que os pais de Rennata não queriam aceitar sua opção sexual. A jovem era adorada por todos, se mostrava uma pessoa tranquila, alegre e muita extrovertida.

Veja a carta deixada pela adolescente (clique nas imagens para ampliá-las):


Flávio Dino anuncia Marcos Pacheco na Secretaria de Saúde do Estado


O próximo secretário de Saúde do estado foi anunciado hoje (30) por Flávio Dino (PCdoB), através das redes sociais. O médico Marcos Pacheco comandará a organização das políticas de saúde no Maranhão a partir do dia 1º de janeiro.

Com o objetivo de programar os compromissos assumidos pelo Programa de Governo apresentado por Flávio Dino à população maranhense, Marcos Pacheco fará parte da equipe da próxima administração. Entre as principais metas estão a humanização do atendimento, a consolidação das redes assistenciais, Urgência e Emergência e a implementação do programa Mais Médicos Estadual.

Mais cedo, o governador eleito também anunciou o nome do professor Chico Gonçalves para a pasta de Direitos Humanos e Participação Popular, que será uma das mais importantes do novo governo.

A secretária será responsável por conduzir as políticas sociais para melhoria do Índice de Desenvolvimento Humano, a implantação do orçamento participativo e da atuação dos conselhos nas ações do Poder Executivo.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

'Trairagem'! Com adesivo de Dilma no peito, Sarney vota em Aécio

Disponibilizado em reportagem da TV Amapá, afiliada da Rede Globo, o vídeo abaixo registra o exato momento do voto do senador José Sarney (PMDB) no tucano Aécio Neves (PSDB) para presidente da República.

Apesar de ostentar um bóton da petista Dilma Rousseff no peito, o oligarca maranhense aperta as teclas 4 e 5 da urna e confirma o voto.

Nas imagens, é possível ver claramente a foto de Aécio antes de José Sarney finalizar o voto do segundo turno.

Em tempo: Sarney é uma referência histórica do PMDB, que integra a base de apoio de Dilma Rousseff (PT).

Veja o vídeo abaixo:

Lula quer interferir mais no governo e diz que voltará em 2018


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentará interferir mais no governo Dilma Rousseff e, em conversas recentes, disse pela primeira vez a aliados que será candidato ao Planalto em 2018.

Diversos interlocutores consultados pela Folha confirmaram ter ouvido o recado do petista. Alguns, inclusive, afirmam que a manifestação foi feita no domingo (26), depois de as urnas terem confirmado a vitória de Dilma.

Internamente, o PT já trata a candidatura de Lula como algo oficial. O petista terá 73 anos em 2018, e aliados ponderam que uma série de variáveis pode fazer com que mude de opinião mais à frente.

O próprio ex-presidente já disse a aliados que não sabe como estará sua saúde daqui a quatro anos. Após deixar a Presidência, em 2011, ele se curou de um câncer na garganta.

De olho na sucessão futura, aliados afirmam que o ex-presidente precisará atuar de forma mais efetiva para evitar que a petista reproduza erros cometidos no primeiro mandato. Entre eles, o distanciamento dos movimentos sociais, o parco diálogo com empresários e o excesso de centralização nas ações.

Nos primeiros quatro anos, o petista deu conselhos à presidente, mas foi pouco ouvido. Agora, será preciso inverter essa lógica para poder pavimentar sua candidatura. No cálculo interno, se Dilma fizer uma administração impopular a partir de janeiro, sua pretensão pode ser frustrada.

No atual mandato, Lula quer ser mais ouvido quando em situações de crise e dificuldades com o Congresso.

A articulação que pedia o retorno do ex-presidente para a disputa de 2014 foi forte no primeiro semestre de 2013, mas acabou abafada no encontro nacional do PT, em maio. Seus principais defensores eram empresários descontentes com o estilo de Dilma e petistas que perderam espaço na atual gestão.

O PT também fará mais pressões. Quer ser mais ouvido na definição dos novos nomes do governo, principalmente na do novo ministro da Fazenda, e participar da definição de propostas como a reforma política.

Em entrevista nesta terça (28), Dilma disse que “o que o Lula quiser ser, eu apoiarei”.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Flávio Dino anuncia Jefferson Portela como Secretário de Segurança Pública


Em entrevista à rádio Educadora AM, Flávio Dino anunciou na manhã desta segunda (27) o próximo secretário de Segurança Pública do Maranhão. O delegado Jefferson Portela comandará a pasta a partir de 1º de janeiro, durante a administração de Flávio Dino à frente do Poder Executivo.

À frente da pasta, Jefferson será responsável pela implantação de políticas para prevenção de crimes, combate ao tráfico e à criminalidade no Maranhão. Em seu programa de Governo, Flávio Dino apresentou como proposta para a área a implantação do programa Pacto pela Vida – com a articulação de políticas de Estado entre todos os poderes para reduzir os índices de criminalidade no estado.

Maranhão registra maior votação proporcional a Dilma no país


Em uma das eleições mais acirradas do país, o Maranhão foi o estado que mais contribuiu proporcionalmente para a reeleição da presidente Dilma Rousseff. Com 100% das urnas apuradas, 78,76% dos votos válidos foram dados para a representante do Partido dos Trabalhadores (PT).

O desempenho petista foi bem parecido ao registrado na primeira eleição de Rousseff, em 2010, quando a petista obteve 79,09% dos votos válidos no estado, contra 20,91% de José Serra, então representante do PSDB.

Dentre os municípios maranhenses, a maior votação proporcional alcançada pela candidata aconteceu em Belágua, localizado na região leste do estado. Com 7.191 habitantes, de acordo com estimativas do IBGE, 93,93% dos votos válidos (3.558 votos) foram dados a Dilma Roussef. Aécio Neves (PSDB) obteve apenas 6,07% (230 votos). A abstenção na cidade ficou em 23,79%.

Na capital, São Luís, maior colégio eleitoral do estado, 70,41% (362.073) dos votos válidos foram obtidos pela representante do PT, enquanto que o Neves ficou com 29,59% (152.197). A abstenção em São Luís ficou em 12,76%; os votos em branco 1,06% e os nulos, 2,68%.

domingo, 26 de outubro de 2014

Dilma é reeleita presidente do Brasil


A presidente Dilma Rousseff, que disputou pelo PT as eleições deste ano, terá mais quatro anos de mandato como presidente do país. Após 111 dias de campanha e uma disputa acirrada com Aécio Neves (PSDB) em segundo turno marcado por ataques e acusações, Dilma obteve vitória apertada sobre Aécio: 51,45% contra 48,55%. Com a população e o Congresso divididos, um dos desafios da presidente será, em seu governo, conseguir unir o Brasil.

O resultado marca a eleição mais acirrada da história da redemocratização do Brasil. Os ex-presidentes Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso, Lula e a própria Dilma não ganharam de seus adversários por uma diferença tão pequena em pleitos anteriores. Antes de 2014, a menor diferença havia sido registrada em 1989, na disputa entre Collor e Lula. Na ocasião, Collor venceu com 42,75% dos votos, contra 37,86% obtidos pelo então candidato do PT.

sábado, 25 de outubro de 2014

Cidade mais ‘dilmista’ é do Maranhão e está no pódio da miséria


Os milhares de turistas que visitam as águas cristalinas e as areias brancas dos Lençóis Maranhenses mal sabem que, rio acima, as mesmas águas são a diversão de centenas de crianças que vivem em uma das campeãs da miséria no Brasil.

Algumas das nascentes que formam o rio Preguiças, portão de entrada do parque nacional que é o cartão-postal paradisíaco do Maranhão, estão no município de Belágua, que fica distante 100 quilômetros ao sul e a anos-luz em relação ao padrão de vida dos visitantes.

Belágua lidera vários rankings nacionais. O mais recente foi divulgado em 5 de outubro ultimo: foi o município que deu a maior vitória para Dilma Rousseff (PT) noprimeiro turno: 92%, contra 4% de Marina Silva (PSB) e 2% de Aécio Neves(PSDB).

Fora isso, a cidade aparece no pódio das piores rendas per capita do país, segundo o IBGE. Por lá, as pessoas vivem com R$ 146 mensais. Só outras duas localidades maranhenses, Marajá do Sena e Cachoeira Grande, têm rendimento inferior, pelos números do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A cidade também é medalha de bronze entre os de municípios com maior porcentagem de miseráveis dentro de sua população, em lista elaborada pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). Por lá, 93% vivem abaixo da chamada linha da miséria (em regra, a marca é de R$ 70 mensais), número só superado pelas cidades de Centro do Guilherme (MA) e Jordão (AC).

Pelos dados do governo federal, Belágua também está no top 10 do Bolsa Família. O município tem 96% de suas famílias cobertas pelo programa de transferência de renda, ocupando o oitavo posto nesse ranking nacional. São 1.814 famílias beneficiadas do total de 6.524 habitantes locais.

O município maranhense mais parece uma vitrine dos programas criados nos 12 anos em que o PT está no poder, o que mostra que a situação política é um pouco mais complexa que associar só o Bolsa Família aos bolsões de votos em Dilma.

A localidade foi iluminada pelo programa Luz Para Todos. Seus jovens fizeram ou querem fazer os cursos dos programas Pronatec e Mais Educação. Muitos moradores já se inscreveram no Minha Casa, Minha Vida. Os doutores cubanos do Mais Médicos não chegaram até lá, mas dois deles atendem na vizinha cidade de Urbano Santos, a 15 quilômetros de distância.

“Eu sou pidão mesmo: precisamos de mais benefícios. Afinal, aqui é a terra em que a Dilma tira mais votos. Somos agradecidos por tudo, mas nossa presidente tem que retribuir também”, reclama o professor Raimundo Nascimento, que já foi vereador em dois mandatos pelo PMDB e se filiou ao PT neste ano. Na verdade, Belágua é a bicampeã nacional em dilmismo. Já em 2010 deu o melhor percentual de votos para Dilma: os mesmos 92%.

O município, distante 283 quilômetros da capital São Luís, foi criado em 1994 junto com outros 77 por decisão da Assembleia Legislativa do Maranhão. Surgiu sem um único telefone, sem carteiro, sem policial, farmácia ou água encanada. A maioria das casas tinha paredes de adobe cobertas com palha.

Hoje em dia, muitas casas ainda são assim. Mas há antenas parabólicas decorando os quintais. Os jegues, substituídos pelas motos como meio de transporte, circulam sem dono pela cidade. E o comércio local cresceu por conta do dinheiro do Bolsa Família em circulação.

O lavrador Raimundo de Souza ganha R$ 300 mensalmente pelos dois filhos na escola. “É pouco, mas é muito. Sabendo usar, dá para viver”, define suas finanças. Ele tem uma plantação de mandioca e fabrica farinha para vender. Além disso, cria galinhas e porcos e pesca no rio próximo para conseguir proteína. Quando não tem o que comer, mata a fome com chibé, mistura de farinha de mandioca, cheiro verde e água.

“A cidade é pobre porque não tem uma empresa, uma fábrica. Mas a gente não morre de fome porque aqui dá de tudo”, opina Nascimento. Água não falta, mas o solo arenoso por vezes atrapalha a safra. A economia é de subsistência.

“Nem a prefeitura contrata as pessoas daqui, porque muitos são analfabetos e não passam nos concursos. Acabam pegando gente que vive em outros municípios”, conta a professora Rosimar Souza.

As crianças, que geram rendimento para suas famílias, brincam nos rios, como em uma cena idílica de infância feliz. Mas ela esconde uma miséria que não acaba, só sobrevive.